Multa de condomínio pode ser cobrada em conjunto com a taxa condominial?

Toda cobrança realizada pelo condomínio deve seguir as formas estabelecidas nas regras condominiais, Continuar lendo

Anúncios

Ofensas entre condôminos em redes sociais pode refletir em condenação penal e civil.

É fato. A revolução digital trouxe maior facilidade, rapidez e possibilidades para expressarmos nossas opiniões, e na vida condominial não é diferente. Continuar lendo

Devedor de condomínio pode usar piscina?

Próximo ao verão e as férias a dúvida sobre se o devedor de condomínio pode usar a piscina é constante por parte de alguns síndicos. Porém a resposta é simples, ou seja, até mesmo o devedor da taxa condominial pode fazer uso da piscina. Continuar lendo

Fogos de artifício em condômino de apartamento, pode?

Especialmente na virada do ano, infelizmente, é comum que alguns condôminos façam uso de fogos de artifícios diretamente de suas unidades condominiais, situações que ocorrem em eventos esportivos e outras comemorações.

Porém, tal pratica é proibida, e o infrator deve ser punido energicamente, sequer é necessário a advertência prévia, sem prejuízo, inclusive, do infrator responder civil e criminalmente pelo ato, tamanha gravidade que é fazer o uso de tal artefato.

No Estado de São Paulo, o assunto é tratado até mesmo por meio da Resolução SSP- 154 de 19.09.2011[1]:

Artigo 47 – Ficam terminantemente proibidas as seguintes práticas de uso de fogos de artifício:

…Queimar fogos de artifício nas sacadas dos edifícios, exceto os de categoria “A”.

Além disso, regras do Código Civil veta o uso da unidade autônoma de modo a causar riscos aos demais ou que cause perturbação ao sossego.

Assim, sequer é necessário maior aprofundamento na parte legal para termos a certeza absoluta de que o uso de fogos de artifícios em unidade condominial (prédio tradicional) é ilegal.

E, considerando tal certeza, até mesmo em razão dos riscos à integridade física das pessoas e prejuízos patrimoniais é aconselhável que em épocas de comemorações em que o uso desse artefato é frequente, que o síndico reitere sobre essa proibição e aplique as sanções máximas previstas no nicho condominial.

Já, especialmente no Ano Novo, alguns condomínios em razão das suas próprias características físicas permitem que fogos sejam lançados de determinada área, porém, trata-se de uma autorização de altíssimo risco, até porque, em caso de acidente, ainda que tenha seguro, algumas apólices excluem do sinistro a inobservância de algumas regras, evidenciando o quão grave e complexa é a questão.

No entanto, ainda que seja desejo do nicho condominial fazer uso de fogos, o correto é contratar empresa especializada, formalizar contrato listando todas as responsabilidades e até mesmo um seguro especifico.

Outrossim, é fato que esse tipo de proibição, com aplicação de punição severa ao infrator, ainda que possa causar desconforto, não deve refletir no síndico/administradora qualquer possibilidade de anistia ou ponderação, tamanho são os riscos decorrentes de tal ato com chances reais de prejuízos físicos e materiais aos condôminos e terceiros.

Conclui-se, portanto, que quando o assunto é a possibilidade de usar fogos da sacada, janela etc. das unidades autônomas dos condomínios tradicionais (torres de apartamento) seja localizado na cidade, no campo ou beira da praia, qualquer permissão é ilegal e o infrator deve ser punido rigidamente tamanho os riscos para a coletividade.

Em outra esfera, nos condomínios com área de lazer espaçosa e que desejam fazer a queima de fogos de forma segura, caberá ao síndico verificar se as regras do nicho condominial permite a realização do ato e, em caso positivo, é prudente que busque profissional capacitado para realização das festividades com a mínima segurança esperada.

Gostou? Envie sua sugestão e compartilhe!

[1] http://www.policiacivil.sp.gov.br/portal/faces/pages_legislacao/detalhes?titulo=RESOLU%C3%87%C3%83O%20SSP-154%20DE%2019%20DE%20SETEMBRO%20DE%202011&id_content=UCM_005059&_afrLoop=5875563274282230&_afrWindowMode=0&_afrWindowId=null#!%40%40%3F_afrWindowId%3Dnull%26_afrLoop%3D5875563274282230%26titulo%3DRESOLU%25C3%2587%25C3%2583O%2BSSP-154%2BDE%2B19%2BDE%2BSETEMBRO%2BDE%2B2011%26id_content%3DUCM_005059%26_afrWindowMode%3D0%26_adf.ctrl-state%3D2wevvww07_4

Animal em condomínio, pode?

cachorro-em-condominio

Afinal, é possível ou não é possível ter animal de estimação em condomínio? Há alguma Lei sobre o tema? É legal obrigar o transporte do animal somente no colo? O cachorro do meu vizinho não para de latir, o que eu faço? Quem deve limpar a sujeira? Etc.  Continuar lendo

Dívida de condomínio pode ser parcelada?

Em decorrência das alterações do Novo Código de Processo Civil, especialmente no que tange a cobrança de dívida condominial, a dúvida sobre a possibilidade e o direito do devedor em parcelar a dívida aumentou, porém a resposta pode ser mais simples do que imaginamos, senão vejamos: Continuar lendo

Quedas de objetos em condomínio, de quem é a responsabilidade?

Não raramente, condomínios são condenados a pagar indenização por danos morais e materiais decorrentes de objetos lançados e/ou decorrentes de quedas involuntárias, cujo valor arbitrado é partilhado entre todos os condôminos quando do pagamento da taxa condominial. Continuar lendo

Vizinho “reclamão” em condomínio pode, e deve, ser punido!

Quem mora em condomínio sabe o quão corriqueiro são reclamações envolvendo condôminos, especialmente quando o assunto é barulho e uso de vaga na garagem, cujas reclamações normalmente são registradas no livro de ocorrência e pode culminar com advertência e/ou multa ao infrator, conforme a regra de cada nicho condominial. Continuar lendo